Copa do Mundo de 2018 escancara o desrespeito nas redes sociais

 

A Copa do Mundo de 2014, disputada no Brasil, foi um evento que expandiu o futebol muito além das quatro linhas. Foi considerada a Copa das Rede Sociais, com inúmeras interações entre público através do Facebook e, principalmente, Twitter, onde bom humor, memes e outras publicações movimentaram o Mundial através da internet. Só para se ter uma ideia das proporções do evento, a Copa do Mundo de 2014 superou o número de tweets da edição anterior do evento antes mesmo dos jogos começarem.

Depois do 7×1, surgimento e morte do Snapchat, domínio do Facebook e ascensão do Instagram, chegamos em 2018. O Mundial da Rússia, que ainda não chegou ao final, também está movimentando as redes sociais como a edição anterior. Porém, vemos esses meios entrando nas manchetes com outra vertente: o preconceito. Inúmeros casos se acumulam ao longo das últimas semanas e escancaram diversos problemas da nossa sociedade.

O primeiro caso a ganhar notoriedade nos noticiários foi o de torcedores brasileiros humilhando uma russa de forma machista, através de vídeo amplamente compartilhado nas redes. Após foi a vez do meia  sueco Jimmy Durmaz, que após falhar em partida contra a Alemanha teve suas redes invadidas por comentários racistas. Durmaz é de origem assíria. Poucos dias depois foi a vez do promissor atacante iraniano Sardar Azmoun aposentar-se de sua seleção aos 23 anos, admitindo que os insultos sofridos nas redes sociais afetaram a saúde de sua mãe, fator determinante na sua decisão.

O mais recente capítulo de desrespeito nas redes sociais nasceu do Youtuber Júlio Cocielo, que em seu perfil no Twitter teceu um comentário de cunho racista em relação ao atacante francês Kylian Mbappé. Após ser fortemente criticado pelos usuários da rede social, Cocielo perdeu uma série de patrocínios de marcas como Adidas, Coca-Cola e Submarino.

As situações citadas anteriormente ganharam notoriedade, seja por conta dos atores envolvidos ou por causa do compartilhamento de informações, mas não são corriqueiras. Qualquer usuário de redes sociais está acostumado a ver o “humor” sendo usado como justificativa para comentários preconceituosos nas redes. O futebol, por sua vez, ainda é um meio que perpetua e aceita ofensas desta natureza e as considera como naturais no meio.

Manchetes como esta são importantes para gerar inúmeras discussões, sendo que todas elas possuem o mesmo cerne: o impacto negativo dos comentários preconceituoso nas redes sociais sob aqueles que são alvo. Por muito tempo se teve a visão de que a Internet era um ambiente sem leis, e que tudo que se passa no meio virtual não tem, de fato, valor no mundo real.

Apesar das temáticas negativas, é importante destacar que muitos dos casos acima foram extremamente repudiados por grande parte dos usuários das redes sociais. O comportamento das pessoas perante situações como essa mostra que, apesar de termos muita crueldade maquiada pelo anonimato das redes, muitas pessoas estão dispostas a tornar o ambiente virtual muito mais seguro para todos.

Por: Vicente Pardo, jornalista da Reverso Comunicação Integrada 

Total
37
Shares

Inscrever

Se inscreva agora na nossa news